Inspirado pelo sucesso gigantesco de Minecraft, Square Enix trouxe a construção e o crafting para o mundo de Alefgard neste exclusivo RPG de sandbox.

Tendo sido lançado em 2016, o Dragon Quest Builders já recebeu banho de críticas positivas, por isso não é de admirar que se sinta em casa no Nintendo Switch.

 

Dragon Quest não é estranho aos spin-offs, com as populares séries RPG aparecendo em uma variedade de gêneros. Portanto, não foi surpresa quando a Square Enix anunciou que a franquia tentaria sua mão na jogabilidade da sandbox, seguindo o sucesso de jogos como Minecraft e Terraria.

Quando lançou originalmente no PlayStation 4 e no Vita em 2016, o Dragon Quest Builders recebeu entrevistas favoritas de fãs e críticos. Não é surpresa que a Square Enix tenha decidido transferir o jogo para o Nintendo Switch, a portabilidade do console perfeita para um RPG de sandbox de mais de 40 horas.

 

Sinopse

Com a terra de Alefgard em ruína, é seu trabalho como construtor lendário reconstruir o reino caído. As pessoas de Alefgard literalmente esqueceram o conceito de construção, os vários NPCs chocados com a sua capacidade de engenharia, e apenas um punhado de estruturas abandonadas sobrevivem.

É ótimo que a Square Enix aproveitou o tempo para incorporar um enredo no jogo, embora simplista, já que é algo que faltava muito de outras aventuras de sandbox como o Minecraft. Certamente, não se leva muito a sério, o vilão genericamente malvado, longe de intimidar, mas isso faz parte do seu cartoony.

Há até uma série de NPCs com resmas de diálogo espirituoso para aparecer enquanto você interage com eles. Embora seja preciso muitas dicas de jogabilidade do Minecraft, os Construtores ainda se sentem como um RPG no coração.

À medida que você progride através do jogo, você ganhará a capacidade de construir teletransportes coloridos e diferentes dentro da sua cidade. Estes permitem que você viaje para ilhas normalmente inacessíveis espalhadas pelo mapa.

 

Fonte: MNN